terça-feira, abril 24, 2007

Robert Hughes, famoso crítico de arte, falando sobre Duchamp...

"A influência de Duchamp* sobre a arte contemporânea foi liberadora, mas também catastrófica. (...) Porque ser o pai dessa bobagem chamada arte conceitual não é uma distinção de que se orgulhar. Para compreender o tamanho do estrago, basta dizer que sem ele hoje não haveria as chamadas instalações, aquelas obras tolas em que o espectador é convidado a passar por túneis e outros recursos infantis. Ou precisa ler uma bula para entender o que o artista quer dizer."

In: Revista Veja, edição 2005 - ano 40 - nº16, p.11, 14 e 15.

*Pra quem não sabe, ou não lembra, Marcel Duchamp foi um artista do século XX que colocou um urinol exposto numa galeria e o intitulou "A fonte". Iniciativa que provocou um intenso debate posterior sobre o que é arte, artista e obra.

4 comentários:

Anônimo disse...

Muita gente ainda se recusa a entender o que Duchamp estava querendo dizer.
Esta recusa é expressa através dos olhares atônitos diante da boa arte contemporânea.

by: O homem dos cadernos grampeados

Cláudia Barral disse...

Foi mais libertadora do que catastrófica. Arte conceitual não é uma bobagem porra nenhuma.

Anselmo Chaves disse...

"Cegue-se e leia Veja" rsrsrsrsrs

Anônimo disse...

arte conceitual ,é conceitual mesmo,o artista é conceitual,os retardados dos simpatizantes são conceituais,ou seja saindo do conceitual,mesmo o lixo tem seus simpatizantes,voces não observam a quantidade enorme de moscas e baratas???