sábado, novembro 08, 2008

pode parecer bobagem...

... Mas com um certo retardo, publico aqui o parecer da comissão do edital que participamos e não ficamos entre os três selecionados e entre os quatro suplentes:

O desenvolvimento do projeto nao esclarece as opções esteticas que farão parte da finalização do trabalho. Também omite como os aspectos de uma dramaturgia estrangeira serão incorporados ao universo da Bahia, dos artistas e dos espectadores. Não esclarece como o texto pretende exercer impacto e diferenciação no contexto soteropolitano.

Só pra lembrar, o projeto seria a montagem de Animais noturnos, peça de Juan Mayorga, autor renomado e premiado na Europa. Seria a primeira montagem de um texto dele no Brasil, bem como – através da chancela e apoio do Instituto Cervantes – proporcionaríamos a primeira vinda dele ao Brasil, para falar de sua obra aqui em Salvador. Sob minha direção, o projeto contava com o seguinte elenco: Carlos Betão, Evelin Buchegger, Marcelo Praddo e Jussilene Santana.

A comissão de seleção, como já havia dito, foi composta por Ana Lúcia Oliveira Paolilo, Cláudio Cajaiba e Jorge Vermelho, com o acompanhamento de Ney Wendell, diretor de Teatro da FUNCEB.

5 comentários:

Pensando com Relva... disse...

Gil, Vc sabe quem escreveu esse parecer não é? O meu tb eu sei. É a tal "subjetividade" que rola nas criteriosas e preparadas bancas de seleção aqui da Bahia, só pode ser isso..será?

Anônimo disse...

Este Ney Wendell é um incompetente de carteirinha. Não sabe nada de nada! Aliás a inabilidade é a marca da maioria das pessoas que formam esta equipe da famigerada Fundação Cultural do Estado da Bahia.Estamos perdidos! O nosso teatro, a nossa dança, a nossa música estão entregues a um bando de míopes que acham que estão trazenda a rendenção para cultura baiana. São todos uns babacas! Semeiam migalhas e dizem que estão distribuindo democraticamente a verba da cultura.Estão acabando com a nossa profissão,eles são amadores no sentido mais pejorativo da palavra,AMADORES!!!
ESPERO,NÃO TARDA O DIA, DE ACABAR COM ESTA DEMÊNCIA QUE SE INSTALOU NA BAHIA.
Carlos Betão
ator

Gil Vicente Tavares disse...

Betão,

Estamos conectados nas críticas, mas não acho que nomear um bode expiatório resolva alguma coisa. Ney pegou o bonde andando de uma diretoria que não consegue se aprumar, já passou por duas trocas e está subordinada a tantos... mais do que criticar pessoas, temos que discutir idéias. Nunca toco em nomes, quando critico, pois não sei o poder de fogo de cada um, quem está só como fachada, quem manda, quem abaixa a cabeça, quem discorda, mas não quer deixar de mamar nas tetas do estado, enfim...

Anônimo disse...

Meu caro amigo,

Eu não posso dourar a pílula, de jeito nenhum.
Carlos Betão

Anônimo disse...

Eu concordo com Carlos Betão, afinal só o artista sabe a dor e frustração de viver sob a égide de uma política cultural caolha como a nossa. Acho sim que é necessário nomear os imbecis que se dizem gestores dessa mediocridade, pelo menos é uma atitude, quando nada, corajosa.
Paulo Nundy Garcia
jornalista e amante do teatro