sábado, setembro 06, 2008

CENA III

III - CENA DAS CRIANÇAS

C1- Não vou dizer nada não...

C2- Mas eu até tentei gritar!

C1- Não teve nada não, moço...

C2- Era só uma dorzinha...

C1- Eu tentei reagir...

C2- Lembrei de minha mãe...

C1- Aquela coisa estranha na gente...

C2- Depois ficou tudo escuro...

Pausa.

C1 e C2- Era um pouco cedo ainda...

C1- Tinha sido liberada do colégio e não tinha pra onde ir...

C2- Tava com meus colegas, todos prontos, era Domingo, uma animação retada...

C1- Eu preferia não voltar pra casa, mas minhas colegas tavam tudo ocupadas, uma tinha que ajudar a mãe, a outra queria fazer a tarefa sozinha e também, meu padrasto, àquela hora, não tinha voltado pra casa, eu tinha certeza... ah? Sei lá, preferia não encontrar com ele...

C2- A gente se encontrou cedo pra dar tempo de pegar um buzu vazio, mainha até achou melhor, “evitava confusão!”. O clube também ia ficar entupido, já tava até imaginando...

C1- O jeito foi voltar pra casa. Eu juro que eu só pensava em fazer logo a tarefa... poxa, eu não queria nada... quer dizer não tava querendo nada além do dever...

C1 e C2- O problema foi a volta...

C2- A porra do carro tava cheio, mesmo assim a gente disfarçou a agonia, cantamos um pagodinho e tava até seguro, na volta, tinha policial e as porra no ônibus, pensei logo. Sei lá, Domingo de noite fica um bocado de vagabundo por aí, tirando onda, sei lá...

C1- A casa vazia, pensei logo. Fiquei menos tensa... ah!, sei lá, sozinha eu podia estudar, não imaginava que ele... é isso... pudesse ter voltado do trabalho, ou não tivesse ido trabalhar, sei lá, ele não me disse nada – e nem precisava...

C2- Pô, eu só pedi pro motor parar fora do ponto e ele já veio logo me xingando...

C1- ...me pegando... não... aquela maldita cachaça! Bem que minha mãe já tinha dito que ia jogar esse negócio fora...

C2- Quem tinha bebido era ele... tá, eu só tomei uns goles... o trocado nem sobrou pro pão. Também, era tão pouco...

C1- Tão pouco pra minha mãe chegar... mas dava tempo...

C2- Desci do ônibus, o buzu andou um pouco e parou de novo. Eu estranhei, mas continuei andando. Meus colegas de repente gritaram e eu olhei pra trás pra ver o que era, vi os policiais, achei que era bandido e corri, ouvi uma zoada e...

C1- Ele me pegou, eu não queria, não entendo porquê...

C2- Passou isso tudo pela minha cabeça...

C1- E aquela coisa estranha acontecendo...

C2- Fechei os olhos...

C1- Uma voz bem longe...

Pausa.

C2- Não vou dizer nada não...

C1- Mas eu até tentei gritar!

C2- Não teve nada não, moço...

C1- Era só uma dorzinha...

C2- Eu tentei reagir...

C1- Lembrei de minha mãe...

C2- Aquela coisa estranha na gente...

C1- Depois ficou tudo escuro...

2 comentários:

Bruna disse...

fantástico. Já imagino a direção dessas cenas...

Bruna disse...

fantástico. Já imagino a direção dessas cenas...